Ana Baldaia, em Londres e Bárbara Baldaia, em Lisboa



Gato escondido com rabo de fora

2 comments

Confesso que já tinha saudades de Santana Lopes
Apenas um exemplo:

«Mário Soares uma vez disse-me: "Na vida, as pessoas que se safam são as que são como os gatos: fazem e tapam logo". Eu não sou como os gatos, não tenho essa arte. Faço da minha vida um livro aberto. Prefiro mil vezes sair à frente de toda a gente e beber um copo com os amigos do que andar escondido à tarde em hotéis com portas fechadas».

A nós, jornalistas, Santana faz-nos falta.


Assessores

7 comments

Fiz um pedido a um assessor para tentar falar com um famosíssimo político da nossa praça de quem não tenho o número de telemóvel. Prometeu-me uma resposta. Ao fim de alguns dias sem réplica, envia-me em mail sobre um outro assunto sem interesse nenhum.
Respondo-lhe: "Nunca mais disseste nada sobre o nosso pedido"
Resposta dele: "Pois não...".



Ontem, a função pública manifestou-se nas galerias da Assembleia contra o congelamento das progressões automáticas. Vi na cara daquelas pessoas vontade de fazer nenhum e subir na vida e no salário. Tão fácil. Entre os manifestantes, havia "agentes da autoridade", vulgo polícias, a fazerem algo que sabiam que era proibido. Os outros amigos polícias pouco fizeram para os tirarem de lá. Foi com todo o vagar que evacuaram as galerias. Quando são estudantes, os cartazes são arrancados à bruta. Ninguém quer mudar nada, ninguém quer fazer nada. Todos gostam de dizer "o país não anda para a frente". O nacional-porreirismo irrita-me. São só factos, mas estes portugueses chateiam-me, raios.


No dia dos atentados

1 comments


algumas fotos do nosso 7 de Julho.
cada um vê e sente o que quer.


fotos: jacqui

AB


Eles querem...

0 comments



Muçulmanos britânicos, filhos dos emigrantes bangladeshis, turcos, libaneses, marroquinos e egípcios. Eles são a terceira geração e são o futuro do Reino Unido.
A minha esperança é manter o reino unido. Assim, tenho conhecido gentes com histórias fascinantes, muitos deles em asilo, muito deles vítimas de discriminação, vítimas do sistema.
Em busca de uma vida melhor, de uma oportunidade, estes emigrantes chegaram aqui e fizeram a sua própria comunidade para que continuassem as tradições das suas famílias e aquilo em que eles acreditam. Eles fazem parte de um projecto maior, o Islão, e vivem a crença de que é sua função espalhar a sua mensagem.
Como irá esta geração dar continuidade ou ruptura a esta crença? Como irão eles continuar estas práticas? Os ataques que temos assistido são já um resultado deste desentendimento geracional. Os terroristas não cabem em parte alguma. Nem em Inglaterra, nem no Paquistão, nem sequer no Islão.

AB


Os suspeitos do costume

0 comments

Porque é que temos sempre os mesmos suspeitos do costume?

hipótese 1 - porque a classe política actual é má
hipótese 2 - porque têm tanta vontade de poder que não desistem
hipótese 3 - porque têm tanta vontade de serem úteis à sociedade que não desistem


Lambuzem-se...

0 comments

...nesta mercearia.


O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem

0 comments

A candidatura de Soares caiu que nem ginjas para o povo jornaleiro e comentador deixar de falar no Campos e Cunha e no Freitas. De repente, o PS tem um candidato capaz de fazer frente a Cavaco. Não dá para entender é como é que Manuel Alegre se deixou levar pela enxurrada. E ainda insiste em não abrir o guarda-chuva.

BB



Esta foi a resposta de Alberto João Jardim a um jornalista que lhe perguntava sobre a possibilidade de se candidatar à Presidência da República:
"Eu não admito que o senhor me queira ver pelas costas!".

BB



Lond@n the concrete jungle
uma cidade estranha
onde o estranho é comum
o óbvio inesperado
o imediato presente
o concreto monetário.
Rodam as bicicletas
Ouvem-se os motores
Bloodsuckers rápidos e lentos
Risos, gritos, buzinas.
Pássaros, voos velozes
Sirenes como abutres reais.
Vidros quebrados nas vozes
Jornais eriçados
portas batendo como quem se despede
como quem se reveste.
The city shrugs me
it trickles hidden and fast
boiling submerse
and I take some confort in this words.
The city knows herself
open, unexpected, multicultural
The city holds me
entirely and brotherly
I
love it
I
dig it.

AB


Da opressão

0 comments

Londres está cheia de ataques, de medo, de pavores.
Os muçulmanos assustados, os britânicos, os emigrados e os desterrados.

AB


Da liberdade

0 comments

Passei muitos anos (e o que e isso muitos anos?) tentando compreender como balancar o meu ser; isto e, como encontrar um determinado equilibrio que jogando com os opostos criasse uma harmonia dentro de mim, capaz de permanecer constante e duradoura (pelo menos por uma hora!!!!). Essa harmonia chama-se tambem felicidade, uma alegria que muitas vezes sinto quando encontro esse equilibrio, essa serenidade. Nao e uma alegria assim tipo euforia, e uma alegria mais continua, de me saber viva, que nasce do completo prazer pelo momento. Uma paragem do tempo.
Por vezes penso que a memoria nao tem importancia e depois dizem-me que sem memoria eu nao sou nada; ou como Dilthey referiu 'a memoria atribui o significado'. Mas a memoria cria melancolia em relacao ao passado, pois tudo o que recordo, recordo, fortunadamente, com prazer. Habitualmente o que nao me agrada, esqueco. Esqueco mesmo. Com incrivel facilidade, julgo eu.
Mas ao longo desta pesquisa comum a maioria de nos Humanos, de sabermos quem somos, de onde vimos e como funcionamos- encontrei multiplas relacoes dentro de mim que ultrapassam a possivel crenca no equilibrio.
Por relacoes quero dizer a interaccao entre os diferentes elementos que me compoem (quer fisica,psiquica ou emocionalmente)- nao pode ser materializada num sistema, esquema, diagrama, imagem ou tao pouco texto. A essencia do ser reside na presenca.
Na influencia que criamos no espaco que ocupamos no momento.
Comecei a entender que o desequilibrio e mais importante do que o equilibrio, ele e movimento, e reaccao.
E o entendimento do mesmo essencial. E mais ainda, um e outro nao sao sequer nem somente opostos, mas entre eles existem outras relacoes e outras faces.
As palavras devem ser entendidas como formas e os textos prismas em quatro dimensoes.
Entre o desequilibrio e o equilibrio algo semelhante acontece. Em sintese tudo termina com a escolha consciente de um em relacao ao(s) outro(s). Porque a vida nao e bilateral, nem binaria, mas multiplural e diversa. Porque ha sempre mais opcoes.
Quando ha liberdade.
E essa sim, e sinal de felicidade.
Para mim, e para todos, julgo eu.

AB


Breve Dicionário Tripeiro-Alfacinha

16 comments

A
À beira de – Ao pé de
Aluquete – Cadeado
Aguça – Afia
Azeiteiro - Bimbo

B
Boeiro – Sarjeta
Bolinho de bacalhau – Pastel de bacalhau
Broche - Pregadeira (alfinete de peito)

C
Cadeado – Corrente
Calcar – Pisar
Canalha - Crianças
Catraios - Crianças
Cimbalino – Bica
Cruzeta – Cabide

E
Estrugido – Refogado

F
Ferrar – Morder
Fino – Imperial

G
Guarda-chuva – Chapéu-de-chuva
Guarda-sol – Chapéu-de-sol

M
Magnório – Nêspera
Meia de leite directa – Meia de leite de máquina
Meia hora – Meio dia e meia
Meio dia menos um quarto – Um quarto para o meio dia
Molete – Carcaça

N
Napoleão – Mil-folhas

P
Picheleiro – Canalizador
Pingo – Garoto
Pires – Prato
Pneu – Água com gás, limão e açúcar
Prego no prato – Bitoque

R
Repa – Franja (no cabelo)

S
Safa - Borracha (de apagar)
Salazar – Rapa-tachos
Sapatilhas – Ténis
Sertã – Frigideira

T
Tabuleiro – Bandeja
Tacão – Salto (nos sapatos)
Testo – Tampa (no tacho)
Trengo - Azelha
Tripas – Dobrada

V
Vagem – Feijão verde


Aceitam-se contributos.
BB


Monopoly

0 comments

Em dois anos, quatro ministros das Finanças. É muito melhor que brincar ao Monopoly. O primeiro-ministro, no entanto, deve ter suspirado de alívio com a demissão de Campos e Cunha: "Não vai fragilizar o país. Felizmente... aaah... lamento a decisão, mas agora temos o Prof. Teixeira dos Santos" blá, blá, blá, disse José Sócrates.
BB


Sem título

0 comments

Amo a invisibilidade dos lugares
os ecos das presencas
amo a palavra Existencia.
Nao me interessa o significado.
Uma caravela rugindo o chorar de uma crianca
e uma bicicleta que passa
no vento-
quero ter este abandono das coisas
e o despertar da memoria
trago quilometros de estrada
e uma vontade subita de pertencer a tudo o que e vivo.
Um grito de passaro..
Don't wait for me.
Como e impossivel dizer-to.
Amo a fonte faminta que ha em mim
de perpetuar o momento
para que se quebre o tempo
para que a infantilidade se ocupe de nos
Gentes unidas pelas mesmas ilusoes
Separadas por diferentes Utopias.
Come on don't Stop.
Reunamos os caos inorganicos das nossas cabecas
as opcoes doloridas
e a ocasional distancia.
Temo os conturbados sonhos
que arrefecem as madrugads de agua caida
a turbulencia das palavras nao ditas.
I drown in the disquiet dramatism of my thoughts
legends of excessiveness
uivos de extravagancias
desejos de humildade moral...
oh desassossego inato pessoano!!!
Falha-me a metrica
Enturpilha-se a melodia
Queria fazer uma poesia
Ou uma ode lirica
Mas o peso da palavra
impede a minha vontade
Ve-de pois a sua face estrangeira
Esta lingua memorizada
de poesia falada.

AB


Moledo

0 comments

foto: bb
Hoje foi dia de praia, sob supervisão espanhola. Moledo continua no sítio. Pra lá Caminha ao almoço e Santa Luzia ao fim da tarde. Gelado de cereja à noite. Longe do annoying real world. O Freitas quer que o Sócrates lhe peça para ser candidato?
BB


Amo-te Ribeira

3 comments


foto: bb
Dizem que Freitas do Amaral criticou o Governo, acusando José Sócrates de ter conduzido mal o processo de comunicação das chamadas "medidas difíceis", dizem que o ministro das Finanças não concorda com o plano de investimentos do Executivo, dizem que a concertação social chegou a acordo... O que é que isso interessa quando eu tenho um por-do-sol destes no rio Douro?
BB


A espuma dos sonhos

0 comments

O Dreamkeeper voou ontem para a Austrália. "Levo a espuma dos meus sonhos", dizia, com incontida felicidade.
Aos 49 anos, o Dreamkeeper tem dois grandes prazeres na vida: sonhar e viajar.
A espuma dos sonhos dele não era mais do que resquícios de um colchão onde dormiu (e sonhou) anos a fio.
Na despedida, entreguei-lhe este poema. Feito à medida.
BB


Quero é viver
Vou viver
Até quando eu não sei
Que me importa o que serei?
Quero é viver
Amanhã
Espero sempre um amanhã
E acredito que será
Mais um prazer
E a vida
É sempre uma curiosidade
Que me desperta com a idade
Interessa-me o que está para vir
E a vida
Em mim é sempre uma certeza
Que nasce da minha riqueza
Do meu prazer em descobrir
Encontrar, renovar, vou fugir ao repetir

(António Variações)



Todo o circulo tem inicio e e infinito.
A caneta tinta de uma cor que nao outra.
Por agora esta.
E tudo o que digo significado
quase nenhum
com este ou outro ritmo
clap, clap
talvez esse...
Espera.
Para escutar esta medonha melancolia
das saudades que sentimos, sem ti, mooo...mooo...
ssssss
quando deixamos o nosso pais
perdemos esse ponto de retorno
tornamo-nos rupturas
com nomes proprios
Anna, Hanna, Ana
Nao sei ja o que vos queria dizer.
que amo
oh sim...
muito e quero ver-te e abracar-te
outra vez.

AB


Domingo

0 comments

foto: bb

É dia de dormir até mais tarde e de ficar a ler jornais com pequenos-almoços compridos.


Who are these guys?

5 comments

foto: té? ou joca?

Aceitam-se apostas.


Parti

1 comments

Não foi para longe...


foto: bb

...mas fui.


Que merda é esta?

0 comments

Lisboa tem uma característica sui generis: uma generosa falta de civismo. Mais nenhuma cidade do país (muito menos da Europa) preza tanto e com tamanha determinação os cocós dos cães nos passeios. É algo que me transcende. Até hoje ainda não consegui perceber porque é que isto só acontece em Lisboa.
Como nunca me dei ao trabalho de mudar a papelada do Porto para a capital, não voto aqui. Mas juro que escolheria o candidato que prometesse acabar com a merda dos passeios. É que aquela ideia de tentar convencer os cidadãos a sair de casa com um saquinho de plástico não resulta. O povo traz os cães para a rua e deixa a cidadania em casa.
Sinto-me todos os dias como uma personagem/heroína de um jogo de computador que tenta percorrer os passeios lisboetas sem pisar as minas. Oh shit!

BB


Partidas

1 comments

O DD acaba de nos publicitar no Insubmisso. Não temos a pretensão de fazer parte da fina flor da blogosfera, mas obrigada Dear Dave.
Já agora, aproveitamos a boleia do Taxi da RT que acaba de arrancar da redacção.
Até já.
BB


Cuba I

4 comments


Continua a minha vontade de fugir daqui.
Já que estou numa onda de viagens, recordo Cuba.

Se não quiseres amar Havana, não podes conhecê-la.

Nas ruas, procurei Pedro Juan Gutiérrez e julgo tê-lo encontrado em cada uma das esquinas. O seu cheiro perdido em cada uma das putas de Havana. "Os europeus procuram as mulatinhas como se fossem animais exóticos", explicava Fidel, o taxista. A sua escrita esquecida em cada um dos casais que namoriscavam no Malecon.

Ai, La Habana!

BB

fotos: bb


De uma só vez

1 comments

E eu sentava-me e pensava olhando atraves da janela.
Eu,
esperava uma inspiracao
porque
eu
sabia, ouvindo repetir-se em ecos a frase:
"o artista cria a partir de um lugar de ausencia de mente, in stillness.
Em quietude, nasce o impulso criativo".

E ora pois eu ficava assim muito quieta
esperando a mente parar
e nada sucedia.

Os dias passavam.
E nada me ocorria.

Os sonhos vinham.
E nada me diziam.

As noites eram,
e nada sucedia, eu nada fazia.

E era pois entao que eu desistia.

E pensava em tudo, em tudo,
de uma so vez
em como as pombas nos beirais das casas me olhavam
com uma consciencia que parecia ate maior que a minha;
em como elas me queriam comer e rasgar a carne
ate que o meu sangue fosse delas e nunca mais eu mesntruasse.
Em como todas as pessoas sentiam
e se aproximavam
e socializavam
e eu me tornara um pouco mais autista.
Em como as linguas se perdiam
e as palavras nada queriam.
Em como o mundo me achara bela
e me pedira sempre mais
e eu pois nao queria
nem teria, nem seria
senao eu propria.
Em como eu me libertara
e me tornara cada dia menos implicada
obstinada ou resguardada,
desligando-me de todas as coisas,
como quem perde identidade,
hedonica e maliciosamente
enquanto o coracao batia
excitado e rapido
como se nao fora meu
escutando um velho desejo que ja nao precisa de palavras.
E a danca era agora o proprio espaco
as palavras o meu ritmo
e o silencio o meu encanto.

AB


Santiago do Chile II

0 comments

Quero estar longe. this way, please
Lá fora, lá longe. another day in another place

fotos: bb

Reflexos da cidade. the outterworld

Reflexos de mim. buenos dias. esta é a melhor cama do mundo

Por hoje chega. Estou doente, vou para casa. Divagar devagar.

BB



até me entrevistaram hoje na minha rua veja lá, eu a passar com um lenço preto na cabeça, tipo carmen miranda, fui confundida com islâmica e lá me perguntaram se eu achava que a comunidade iria ser afectada, o backlash, e eu tipo muito estúpida a falar em nome do Islão, e a dizer que não, que não, que o Islão não é o mesmo que terrorismo e agora deixem-me lá ir, que eu tenho que ir comprar pão.
enfim, na realidade não me assustei e até estava em Liverpool quando poooom, mas eu tenho um anjo, e não se passara nada, pergunto, então hoje não há metro? ok vou de autocarro? então hoje não há autocarro?
vou a pé... e continuo a andar, numa aceitação promissora.e as pessoas passavam à minha volta num silêncio estúpido, umas corriam dos edifícios, e havia polícia por toda a parte.
comecei a crer que se passava algo.
mas porque estaria aquele senhor da gravata tão sujinho cheio de cinza? se passa algo, maria.
Can I use your phone?- someone asks me in tears.
Will you be quick?- I said.
Don't you know?- he yells at me- 4 bombs just exploded in London!!!
What?- I said.

AB


Santiago do Chile I

1 comments

Frio. Colina sobre Santiago do Chile, cidade de contrastes.

Pinochet vive aqui perto. No hay mañanas sin ayers.

fotos: bb


No Ritz Carlton, estolas de pele de raposa enroladas em senhoras pomposas lancham três andares de éclairs cobertos de glacé de açúcar.

Ali em baixo, uma favela. Miúdos ranhosos a jogar à bola. Um filho ao colo, outro pela mão, tecto de zinco.

BB


Brick Lane

0 comments

In the edge of the cliff the bird stops and looks at me.
and I let it go, let it go, let it go.

Versos que escrevo da janela do novo apartamento em Brick Lane. Como amo a minha nova rua. Os cheiros do caril, as cores dos graffittis, os tamanhos irreversiveis dos apartamentos, a arquitectura e ineficacia da moda...la em baixo as pessoas passam constantemente..la em baixo vivem as galerias de arte contemporanea, os bares, os cabeleireiros. o trendy, o fashion, o organic, o japonese, indian and bangladeshi...and the occasional british que ainda os ha perdidos nas vielas. sao ruas como esta k fazem de londres, londres. uma cidade que a cada dia se torna mais interligada a tudo o que co-existe dentro de mim.

There's no more space in here
I hear them saying
I'm tired
The baby is crying
I feel for me
I can't shake the baby
I take a break in te colours
Forget the languages.
Look at the walls dive in the graffs...

There's only one place to go and that's inside of you.
Can you understand a book by its cover?

L'inspiration n'as pas une forme.
Elle n'est pas solide ou materielle.
Elle est.
One jour je connaira mon future et tout le monde dira combien ma vie etait belle.

For the americans was all fame and fun.
And in the portuguese wine I used to drink tears.

Yes, its a beautiful city! como quem mergulha no amarelo do sono.
Faz frio, ainda. sempre. Our comprehension of this world needs to be quinestetic.
Mas nao respondo. A cidade parece irreal, mas os edificios da janela tao veridicos como o meu desejo.

AB


Lisboa-London

6 comments

Eu e a minha irmã (que nunca nos demos bem) adoramo-nos.
É uma relação estranha, porque entendemo-nos lindamente assim. Ela em Londres, eu em Lisboa.
Este blog surgiu dessa ponte fraterna, two hours and a half flying.
Enjoy it.
BB


About me

Last posts

Archives

Links


ATOM 0.3